Pederneira, Castelo Branco e Porto: um batismo

Dando seguimento aos registos de pessoas que sendo de fora por aqui ficaram, deixamos mais este contributo para a genealogia de Castelo Branco, freguesia de Belver e para a freguesia de Santo Ildefonso, Porto. Acrescenta-se, ainda, uma referência a uma personagem de importância histórica, quiça, da Nazaré, a parteira Anna Luzindra, madrinha do batismo.
«No primeiro de Janeiro de mil oito centos e trinta e nove, baptizei solemnemente a José, que nasceo a desoito do mez passado, filho legitimo de Naveiro [?] Marques, baptizado na Freguezia de São Pedro da Villa de Velver, Bispado de Castello Branco, e de Maria Euzebia que tinha sido cazada com Joze Baptista , do sitio da Nazareth, d’onde ella tambem é natural, e baptizada nesta Igreja Matriz de Nossa Senhora das Areas da Villa da Pederneira, e recebidos na Parochial de Santo Idelfonço [sic] da Cidade do Porto. Neto paterno de João Marques e Maria Domingues, da Velver; materno de José Ignácio d’Azevedo, e Maria Victoria, do dito Sitio de Nazareth, desta Freguezia. Padrinho tocou Lucio Ferreira, com prenda de São José; madrinha tocou a Parteira Anna Luzindra,* com prenda de Nossa Senhora de Nazareth. (sem assignatura).**
* Segundo os estudos de João António Godinho Granada, Anna Luzindra ficou «célebre não só por, com extremas pericia [sic] e dedicação haver superado situações de desepero, trazendo crianças ao mundo sãs e salvas, mas ainda porque durante a primeira invasão francesa, sendo mulher jovem e formosa, cortejada por um soldado da tropas invasora que então ocupava o Sítio, com extraórdinário sangue frio fingiu aceitar as propostas desonestas do militar, foi andando com ele para o Soberco e dalim com um encontrão o precipitou no abismo vindo a correr pelo areal da encosta para o acabar de matar cá em baixo. É uma notável figura de nazarena, a estudar.»GRANADA (1996:438)
Ainda segundo o mesmo autor, em «4/12/1862 em sua casa no Sítio da Nazareth lugar desta freg. conc. de Alcobaça patriarcado de Lisboa faleceu Anna Lucinda parteira casada tendo recebido todos os sacramentos da Santa Madre Igreja da idade de 52 anos casada (repete) e mor.a no Sitio f.a. de Maria Lucinda [e] de Manuel Pacheco pescador e deixou sete filhos quatro homens tres femeas [sic] duas casadas dois homens casados e foi sepultada no cemitério público.» GRANADA (1996:438)
** ADLRA-Livro de Batismo da Freguesia da Pederneira, 1839, f. 5v.
Cota à parte: Óbt. Liv.º 33 f. 17 v
15-7-1906

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *