Para a história do Forte de São Miguel Arcanjo

À medida que vamos caminhando nos registos paroquiais vamos descobrindo acontecimentos que apenas podem contribuir para a solidificação da história social do actual Concelho da Nazaré.
A referência, como já notámos em textos anteriores, a topónimos, a vários acontecimentos trágicos, outros um pouco mais curiosos, assim como os que temos reservados para futura apresentação, não só releva, como revela, a nossa história, contribuindo para que a mesma se fundamente em testemunhos coevos.
É, pois, neste âmbito que se apresenta um registo de óbito que menciona o “Forte”, ou o “Farol”, como também é conhecido.
«No dia dêz de Julho de mil oito centos e vinte e trez annos de Tarde me deu parte António dos Santos do Manco sapateiro dos Sitio da Nazareth, desta Freguesia de Nossa Senhora das Areias da Villa da Pederneira, que seu Sogro José Dias Bravo, o Velho, marido de Joanna de S. José Gorda, morerra [morrera] afogado no mar junto ao Forte, da parte do Norte , aonde na manhã do mesmo dia tinha hido aos percêbes, e aparecendo-lhe a veste, e o Xalavar, elle não apareceu, Cresce q[ue] cahira de algum penedo arrebatado das ondas mas isto não fora presenceado de pessoa alguma: do qual tudo fis este assento, q[ue] assignei. O Vigário António Jose Ferr.ª»*
*http://digitarq.adlra.arquivos.pt/viewer?id=1110093 (acedido a 21/08/2017)

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *