O contributo de Quirino da Fonseca para o conhecimento das embarcações com invocação a Nossa Senhora da Nazaré

Século XIV

«Séc. XIV – Reinado de D. Pedro I e D. Fernando I (1357 a 1383)

No reinado de D. Fernando I, época em que já vemos bastantes naus prestando serviço entre nós, quer em transportes mercantes, quer em acções militares, uma delas somente, encontramos nomeada, a saber:

  1. NAZARÉ (S.TA MARIA DA)

Existia em 1382, isto é, em fins deste reinado [D. Fernando] e pertencia a D. Fernando, o que vale dizer que era do Estado e não de particulares.

Para aquele tempo, julgava-se grande barco; – “da nossa naao grande sancta Maria de Nazaré” – contêm o diploma que isenta o seu mestre, João Dominguez, de ser constrangido a satisfazer – “aquilo que ele hade pagar em cada ano das nossas casas em que ora mora na cidade de Lisboa”.[1]

Fonte:

Toda a informação agora apresentada é retirada da obra de Quirino da Fonseca, Os portugueses no mar, Memórias Históricas e Arqueológicas das Naus de Portugal, 2ª Edição, Composto e Impresso no Instituto Hidrográfico, Lisboa, 1989.

[1]Chancelaria de D. Fernando, Livro II, fol. 32 v. In FONSECA (1989:74).