Uma notícia sobre o contrabando na Praia da Pederneira ao tempo da Rainha Dona Maria (1837)

PORTARIA, 21 DE AGOSTO DE 1837[1] Manda a Rainha [Dona Maria], pela Secretaria d’Estado dos Negocios Ecclesiásticos e de Justiça, remeter por cópia ao Ajudante do Procurador Geral da Corôa o Officio dirigido a este Ministerio pelo da Fazenda, incluindo outro do Director das Alfandegas do Sul do Reino, contendo as participações dadas pelo Chefe de posto a pé na Pederneira, tanto ao mesmo Director como Administrador do Concelho, acerca do escandaloso facto de contrabando e resistencia, que mencionam aquelles Officios, como acontecido na praia daquela Villa, e a que se diz ter dado ocasião João Luiz Agostinho, a fim de que, pelos factos que vêem circumstanciados nos documentos que lhe são remetidos, faça proceder nos termos das Leis pelos Agentes do Ministerio Publico, com maior urgência, escrúpulo, e rigor da Justiça, dando conta por este Ministerio, em tempo competente, do resultado dos procedimentos judiciaes, e muito especialmente de qualquer…

0 Comments

Chalet Salvadora: o antes e o agora

Foto: Silvano Bem (Julho de 2019) Chalet Salvadora na Vila da Pederneira, BPI de Papel. e Tip. Paulino Guedes & Saraiava, Lisboa, 1904, ou In O Occidente, n.º 997, p. 196 Com a ajuda de alguns amigos, em particular do Silvano Bem, hoje podemos ter 99,99% de certeza que o “Chalet Salvadora” ainda continua no local onde foi construído inicialmente.  Naturalmente que as alterações que foi sofrendo ao longo dos anos, e as várias utilizações que foi tendo, transformaram a sua arquitectura, adaptando-a às funções e necessidades que, paulatinamente, iam sendo “pensadas”. Trata-se de um processo absolutamente normal, seja em casas para habitação, espaços comerciais e até igrejas (note-se nas várias transições/cronologia dos estilos arquitectónicos destes espaços: românico, gótico, barroco…etc). No entanto, o que importa neste caso, é que apesar do tempo, conseguimos identificar e “ligar” o edifício actual com o da gravura dos princípios do século XX. E é…

0 Comments