Caetana, filha do Padre João do Souto Velho*

Não é novidade estas notícias em períodos mais recuados da nossa história, encontrando-se bastas situações similares nos registos paroquiais.
Nesse sentido, e para o presente caso, o que nos interessa é a quantidade de informação que este registo contém, entre outras a referência ao nome de um governador do Forte de S. Miguel Arcanjo que, curiosamente, já foi mencionado neste espaço.
«Aos trinta dias do mes de Abril de mil sette centos e vinte eu Domingos Mendes de Britto vigr.º Dei Licença ao P[adre] Joseph Velho Coutinho vigr.º da Villa de Cellir do Matto para Receber nesta Parochial inface Eclesiae a Nicolau de Almeida Roiz filho legitimo do Cappitão Manuel de Almeida Roiz, e de sua molher Maria Paulina do sitio da Nazareth desta frg.ª Com Caetana Luiza Legitimada por Sua Magestade filha do P[adre] João do Souto Velho já defunto, e de Maria Roiz desta villa; que asim dizião os banhos, e na certidão do Baptismo passada pello P.[adre] Luiz Vieira de Souza cura em a Parochial de Nossa Senhora da Luz de Maceira Bispado de Leiria estava, filha de Jeronima solteira da villa da Pederneira, Pay incógnito; e os Recebeo na forma do Sagrad Concil. Trind- e Constitu- deste Patriarchado tudo em minha prezencia, e das testemunhas Luis Ignácio Pereira governador do forte, António Gomes Duarte, João da Cruz Pinheir.º Tisoureiro desta Igreja»**
*Este assunto vem mencionado na obra de João António Godinho Granada, Nazareth, Pederneira, Sítio, Praia, 1996, pp. 215-217.
**ADLRA – Pederneira – Casamentos,1720. 

2 replies on “Caetana, filha do Padre João do Souto Velho*”

Nos assentos paroquiais de Alfeizerão, o padre João do Souto Velho é denominado Cura de S. Martinho, e grafou vários assentos em Alfeizerão entre 1707 e 1714. Pelo assento que transcreve, ele já estaria defunto em 1720, mas encontro um «Reverendo Padre João do Souto Velho» (um homónimo?) em assentos de batismo realizados em Alfeizerão em 1729 e 1735, sacerdote que um dos assentos precisava ser morador no Carvalhal Benfeito.Cumprimentos!

Caro José Lopes, as minhas desculpas por dois anos depois estar a responder a tão pertinente questão.De facto, parece que este padre já tinha falecido na data indicada.O Dr. João Godinho Granada dedica algumas palavras sobre este padre, sendo que, segundo a muito importante e inédita investigação do autor, o dá como falecido em 30/04/1720, no mesmo registo que acima se transcreveu e onde fazemos referência à obra do Dr. João Granada.Quanto ao possível homónimo não tenho qualquer elemento que possa complementar essa informação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *